quinta-feira, 7 de abril de 2011

As Maravilhas de Portugal no Mundo - Capela Dourada, Recife, Brasil @ RT...

AS LEVADAS DA MADEIRA



Levadas
Tais cursos de água não são exclusivos da Madeira: o que é único é a sua acessibilidade e extensão. Basta aventurar-se apenas um bocado para fora das estradas principais para começar a apreciar a miríade de aquedutos da Madeira - pela sua beleza e engenhosidade de concepção e pela coragem e determinação necessárias para concretizar o conceito até atingir a sua presente glória. O sistema de irrigação da ilha é actualmente composto por uns impressionantes 2150 km de canais, incluindo 40km de túneis - e o trabalho iniciou-se há séculos atrás.

Os primeiros povoadores da Madeira começaram a cultivar as encostas mais baixas do sul da ilha, cortando poios (socalcos). Trabalhando com empreiteiros (que por vezes utilizavam trabalhadores escravos ou condenados) eles construíram as primeiras pequenas levadas, que transportavam água das nascentes mais acima nas encostas dos montes até às suas terras. A primeira legislação a regulamentar a utilização das levadas e os direitos de água data da segunda metade do século XV.

Nos princípios do século XX, havia cerca de 200 destas levadas, serpenteando por mais de 1000km. Muitas pertenciam a particulares e a apropriação indisciplinada de água fazia com que o bem mais valioso da ilha fosse frequentemente distribuído de forma injusta. De facto, em meados da década de 1930, apenas dois terços da terra arável da ilha estavam a ser cultivados - e apenas metade desses eram irrigados. Só o Estado possuía os meios económicos necessários para implementar um programa de construção em larga escala e a autoridade para impôr um sistema mais equitativo de distribuição.

Porque a verdade é que havia muita água para irrigação e torrentes que chegavam para gerar toda a energia necessária. As nuvens arrastadas para a ilha pelos ventos predominantes de nordeste são apanhadas pela cadeia montanhosa central, chegando a cair 2 metros de chuva por ano, no norte, enquanto que na costa meridional o tempo seco pode durar até seis meses.

José Mário Branco - FMI (ao vivo/audio) parte 1

SEM COMENTÁRIOS...E PASSOS COELHO JÁ LHE SEGUE O CAMINHO!

video

FLORBELA ESPANCA


O meu mundo não é como o dos outros, quero demais, exijo demais; há em mim uma sede de infinito, uma angústia constante que eu nem mesma compreendo, pois estou longe de ser uma pessoa; sou antes uma exaltada, com uma alma intensa, violenta, atormentada, uma alma que não se sente bem onde está, que tem saudade… sei lá de quê!


O BRASIL NA VISÃO DOS AMERICANOS ( REPORTAGEM DA TV AMERICANA) - O ORIG...

José Mário Branco FMI farto do é para amanha

AS MAIORES DÍVIDAS PÚBLICAS DO MUNDO


Conheça as maiores dívidas públicas


Nº PAISES....................................................... MIL MILHÕES............... % DO PIB


1 BELGICA................................................................ 347 .............................. 98.6

2 BULGARIA............................................................ 6.5 ................................ 18.2

3 REP. CHECA......................................................... 58.4 .............................. 39.9

4 DINAMARCA ....................................................... 104.7 .............................44.9

5 ALEMANHA........................................................ 1885 ................................75.7

6 ESTONIA............................................................. 1.1 ..................................... 8

7 IRLANDA.............................................................. 152.5 .............................97.4

8 GRECIA ...............................................................325.2 ............................140.2

9 ESPANHA............................................................ 676.9 ..............................64.4

10 FRANÇA ...........................................................1615.8 ..............................83

11 ITALIA.............................................................. 1841.6 .............................118.9

12 CHIPRE............................................................... 10.9 ...............................62.2

13 LETONIA............................................................... 8.1 ...............................45.7

14 LITUANIA ............................................................10 .................................37.4

15 LUXEMBURGO.................................................... 7.3 ..............................18.2

16 HUNGRIA........................................................... 80.1 ..............................78.5

17 MALTA ...................................................................4.3 ..............................70.4

18 HOLANDA........................................................ 379.5 ...............................64.8

19 AUSTRIA ...........................................................198.1 ...............................70.4

20 POLONIA......................................................... 207.7 ...............................55.5

21 PORTUGAL ......................................................142 ..................................82.8

22 ROMENIA ..........................................................37 ..................................30.4

23 ESLOVENIA....................................................... 15 ..................................40.7

24 ESLOVAQUIA.................................................. 27.8 .................................42

25 FINLANDIA..................................................... 87.5 ..................................49

26 SUECIA ...........................................................143.6 .................................39.9

27 REINO UNIDO ............................................1322.5 .................................77.8

28 CROACIA .........................................................18.6 .................................40.9

29 MACEDONIA.................................................... 1.8 ..................................25.6

30 TURQUIA...................................................... 234.7 ..................................42.8

31 ISLANDIA.......................................................... 8.4 ...................................91.5

32 NORUEGA..................................................... 153.1 ...................................46.3

33 EUA.............................................................. 9752.9 ...................................92.2

34 JAPAO........................................................ 8809.2 ..................................217.7

35 CANADÁ....................................................... 909.8 ...................................76.2
Nota: os valores das dívidas dos vários países são apresentados em milhares de milhões de euros e são relativos a 2010. Fonte: Comissão Europeia

CUIDADO COM A MULHER ALHEIA!

video

EURODEPUTADO MIGUEL PORTAS E UM MAU EXEMPLO


Miguel Portas - Tudo em silêncio


*POR QUE RAZÃO ISTO NÃO PASSOU CÁ NO CANAL RTP1, RTP2, SIC, TVI, SIC NOTICIAS, JORNAL NOTICIAS, DN, TSF, PÚBLICO, CORREIO DA MANHÃ, EXPRESSO, DIÁRIO ECONÓMICO ?... *


A VERDADE É QUE NÃO PASSOU... A VERDADE É QUE NINGUÉM OUVIU... A VERDADE É QUE NINGUÉM ESCREVEU NADA...


LA TRAVIATA - VERDI

video

PORQUE SILENCIAM A ISLÂNDIA?


Para ter em conta nas eleições do próximo dia 5 de Junho.


Estamos neste estado lamentável por causa da corrupção interna - pública e privada com incidência no sector bancário - e pelos juros usurários que a Banca Europeia nos cobra.


Por isso, acho que era altura de falar na Islândia, na forma como este país deu a volta à bancarrota, e porque não interessa a certa gente que se fale dele. Não é impunemente que não se fala da Islândia (o primeiro país a ir à bancarrota com a crise financeira) e na forma como este pequeno país perdido no meio do mar, deu a volta à crise.


Ao poder económico mundial, e especialmente o Europeu, tão proteccionista do sector bancário, não interessa dar notícias de quem lhes bateu o pé e não alinhou nas imposições usurárias que o FMI lhe impôs para a ajudar.


Em 2007 a Islândia entrou na bancarrota por causa do seu endividamento excessivo e pela falência do seu maior Banco que, como todos os outros, se afogou num oceano de crédito mal parado. Exactamente os mesmo motivos que tombaram com a Grécia, a Irlanda e Portugal.


A Islândia é uma ilha isolada com cerca de 320 mil habitantes, e que durante muitos anos viveu acima das suas possibilidades graças a estas "macaquices" bancárias, e que a guindaram falaciosamente ao 13º no ranking dos países com melhor nível de vida (numa altura em que Portugal detinha o 40º lugar).


País novo, ainda não integrado na UE, independente desde 1944, foi desde então governado pelo Partido Progressista (PP), que se perpetuou no Poder até levar o país à miséria. Aflito pelas consequências da corrupção com que durante muitos anos conviveu, o PP tratou de correr ao FMI em busca de ajuda. Claro que a usura deste organismo não teve comiseração, e a tal "ajuda" ir-se-ia traduzir em empréstimos a juros elevadíssimos (começariam nos 5,5% e daí para cima), que, feitas as contas por alto, se traduziam num empenhamento das famílias islandesas por 30 anos, durante os quais teriam de pagar uma média de 350 Euros / mês ao FMI. Parte desta ajuda seria para "tapar" o buraco do principal Banco islandês.


Perante tal situação, o país mexeu-se, apareceram movimentos cívicos despojados dos velhos políticos corruptos, com uma ideia base muito simples: os custos das falências bancárias não poderiam ser pagos pelos cidadãos, mas sim pelos accionistas dos Bancos e seus credores. E todos aqueles que assumiram investimentos financeiros de risco, deviam agora aguentar com os seus próprios prejuízos.


O descontentamento foi tal que o Governo foi obrigado a efectuar um referendo, tendo os islandeses, com uma maioria de 93%, recusado a assumir os custos da má gestão bancária e a pactuar com as imposições avaras do FMI. Num instante, os movimentos cívicos forçaram a queda do Governo e a realização de novas eleições.


Foi assim que em 25 de Abril (esta data tem mística) de 2009, a Islândia foi a eleições e recusou votar em partidos que albergassem a velha, caduca e corrupta classe política que os tinha levado àquele estado de penúria.


Um partido renovado (Aliança Social Democrata) ganhou as eleições, e conjuntamente com o Movimento Verde de Esquerda, formaram uma coligação que lhes garantiu 34 dos 63 deputados da Assembleia). O partido do poder (PP) perdeu em toda a linha. Daqui saiu um Governo totalmente renovado, com um programa muito objectivo: aprovar uma nova Constituição, acabar com a economia especulativa em favor de outra produtiva e exportadora, e tratar de ingressar na UE e no Euro logo que o país estivesse em condições de o fazer, pois numa fase daquelas, ter moeda própria (coroa finlandesa) e ter o poder de a desvalorizar para implementar as exportações, era fundamental. Foi assim que se iniciaram as reformas de fundo no país, com o inevitável aumento de impostos, amparado por uma reforma fiscal severa. Os cortes na despesa foram inevitáveis, mas houve o cuidado de não "estragar" os serviços públicos tendo-se o cuidado de separar o que o era de facto, de outro tipo de serviços que haviam sido criados ao longo dos anos apenas para serem amamentados pelo Estado.


As negociações com o FMI foram duras, mas os islandeses não cederam, e conseguiram os tais empréstimos que necessitavam a um juro máximo de 3,3% a pagar nos tais 30 anos. O FMI não tugiu nem mugiu. Sabia que teria de ser assim, ou então a Islândia seguiria sozinha e, atendendo às suas características, poderia transformar-se num exemplo mundial de como sair da crise sem estender a mão à Banca internacional. Um exemplo perigoso demais.


Graças a esta política de não pactuar com os interesses descabidos do neo-liberalismo instalado na Banca, e de não pactuar com o formato do actual capitalismo (estado de selvajaria pura) a Islândia conseguiu, aliada a uma política interna onde os islandeses faziam sacrifícios, mas sabiam porque os faziam e onde ia parar o dinheiro dos seus sacrifícios, sair da recessão já no 3º Trimestre de 2010.


O Governo islandês (comandado por uma senhora de 66 anos) prossegue a sua caminhada, tendo conseguido sair da bancarrota e preparando-se para dias melhores. Os cidadãos estão com o Governo porque este não lhes mentiu, cumpriu com o que o referendo dos 93% lhe tinha ordenado, e os islandeses hoje sabem que não estão a sustentar os corruptos banqueiros do seu país nem a cobrir as fraudes com que durante anos acumularam fortunas monstruosas. Sabem também que deram uma lição à máfia bancária europeia e mundial, pagando-lhes o juro justo pelo que pediram, e não alinhando em especulações. Sabem ainda que o Governo está a trabalhar para eles, cidadãos, e aquilo que é sector público necessário à manutenção de uma assistência e segurança social básica, não foi tocado. Os islandeses sabem para onde vai cada cêntimo dos seus impostos.


Não tardarão meia dúzia de anos, que a Islândia retome o seu lugar nos países mais desenvolvidos do mundo. O actual Governo Islandês, não faz jogadas nas costas dos seus cidadãos. Está a cumprir, de A a Z, com as promessas que fez. Se isto servir para esclarecer uma única pessoa que seja deste pobre país aqui plantado no fundo da Europa, que por cá anda sem eira nem beira ao sabor dos acordos milionários que os seus governantes acertam com o capital internacional, e onde os seus cidadãos passam fome para que as contas dos corruptos se encham até abarrotar, já posso dar por bem empregue o tempo que levei a escrever este artigo.


Francisco Gouveia, Eng.º

INDIGNE-SE


POR UMA CAMPANHA ELEITORAL SEM CUSTOS PARA OS PORTUGUESES


PETIÇÃO PRÉ-ELEITORAL‏

Caros Amigos,


Acabei de ler esta petição online: «Por uma campanha eleitoral sem custos para as finanças públicas» Pessoalmente concordo com a petição e acho que também irão concordar.


Não sei se produzirá algum efeito, mas não se perde nada em tentar.




Podes subscrevê-la em http://www.peticaopublica.com/?pi=P2011N8502 e divulga-a pelos teus contactos.

A MINHA AVÓ FUMAVA CACHIMBO



O novo romance de LUANA SUL, publicado pela "Sinapsis Editores", é uma narrativa cativante, contada com simplicidade, humor, amor e poesia, dedicada a pessoas que, com naturalidade e sem alarde, no meio da desgraça, fazem a diferença esquecendo-se de si e ajudando outrem.


"Quando Domingas parte para o Brasil, vai decidida a escrever um dia a história da sua avó. História indissociável da saga familiar e do panorama colonial em Angola".


Luana Sul é o pseudónimo de Maria José Rodrigues, que se auto-considera apátrida, cidadã dos Arredores do Mundo.


Nasceu em 1943, no Chinguar, Angola, país a que se tem mantido ligada, por laços familiares e de amizade, para além do cordão umbilical.


É médica, tendo exercido a maior parte da sua profissão no Hospital de Santo António, no Porto, e no Hospital de São Bernardo, em Setúbal.


NOTA: Podem ser feitas encomendas do livro "A Minha Avó Fumava Cachimbo" para ammhoc@hotmail.com

Portes grátis.

quarta-feira, 6 de abril de 2011

PROCURA-SE - AINDA NÃO PRENDERAM MARINHO PINTO?

(JÁ AQUI PUBLICAMOS ESTE DISCURSO. DADA A SUA ACTUALIDADE E COM AS ELEIÇÕES À PORTA, DECIDIMOS INSISTIR. É PRECISO ACORDAR!)
Marinho Pinto, ...tenho que lhe dar os parabéns… ele disse na cara de todos os políticos, olhos nos olhos, aquilo que qualquer um de nós pensa.


Este discurso, na sessão solene da abertura do ano judicial, em qualquer país em que houvesse ainda um resquício de moralidade e vergonha implicaria que ou o Marinho Pinto ia preso por calúnias ou, no outro dia, rolariam muitas cabeças.


Isto foi dito na cara do Cavaco que se diz Presidente da República… e nada aconteceu! Porque talvez tenha o rabo bem trilhado.


A MINHA AVÓ FUMAVA CACHIMBO


Depois "HENRIQUETA BRANCA E PRETA",


LUANA SUL acaba de publicar


"A MINHA AVÓ FUMAVA CACHIMBO".


O novo romance de LUANA SUL, publicado pela "Sinapsis Editores", é uma narrativa cativante, contada com simplicidade, humor, amor e poesia, dedicada a pessoas que, com naturalidade e sem alarde, no meio da desgraça, fazem a diferença esquecendo-se de si e ajudando outrem.


"Quando Domingas parte para o Brasil, vai decidida a escrever um dia a história da sua avó. História indissociável da saga familiar e do panorama colonial em Angola".


Luana Sul é o pseudónimo de Maria José Rodrigues, que se auto-considera apátrida, cidadã dos Arredores do Mundo.


Nasceu em 1943, no Chinguar, Angola, país a que se tem mantido ligada, por laços familiares e de amizade, para além do cordão umbilical.


É médica, tendo exercido a maior parte da sua profissão no Hospital de Santo António, no Porto, e no Hospital de São Bernardo, em Setúbal.


NOTA: Podem ser feitas encomendas do livro "A Minha Avó Fumava Cachimbo" para ammhoc@hotmail.com

Portes grátis.

ESTAÇÃO ESPACIAL INTERNACIONAL


ESTAÇÃO ESPACIAL... O QUE SE FEZ EM APENAS 12 ANOS!!!


Veja o que aconteceu de 1998 a 2010.

Em apenas doze anos tem crescido mais e mais.

Esta é a Estação Espacial Internacional (ISS).

Observe o diagrama, crescendo pedaço a pedaço. E esteja atento às datas, na parte superior esquerda. Poucos imaginariam quanto a Estação Espacial cresceu até atingir este tamanho.

É realmente surpreendente!... Que peça de engenharia fantástica!


terça-feira, 5 de abril de 2011

RUI ZINK APRESENTA REVISTA LITERÁRIA


RUI ZINK APRESENTA REVISTA LITERÁRIA LETRAS CONVIDA ·


A sessão terá lugar amanhã, dia 6 de Abril às 19h30m na FNAC CHIADO, em Lisboa O escritor Rui Zink apresentará amanhã, pelas 19h30m, na FNAC Chiado, o nº 2 da Revista Letras ConVida, dirigida pelo escritor Miguel Real e pela investigadora Béata Cieszynska.


Neste segundo número da Letras ConVida, publicação semestral da responsabilidade do Centro de Literaturas Lusófonas e Europeias (CLEPUL) da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e publicada em parceria com a Gradiva, destacam-se as entrevistas com Zygmunt Baumann, Vasco Graça Moura e Margarida Vale de Gato; um dossier temático sobre o Estado da Arte na última década; um dossier sobre o centenário da República e também uma secção dedicada ao injustamente esquecido escritor duriense João de Araújo Correia.


São publicados também neste n.º2 contos inéditos de Patrícia Portela, Afonso Cruz e Fernanda Santos; poemas inéditos de Carlos Frias de Carvalho e Alexandra Antunes; bem como uma “visita” à exposição Lusophonies/Lusofonias organizada pela Galeria Perve. A REVISTA LETRAS CONVIDA Criada pelo CLEPUL (Centro de Literaturas de Expressão Portuguesa das Universidades de Lisboa) a Revista Letras ConVida é uma revista científica e de criação artística semestral, que pretende expandir e intensificar a ligação ao meio académico e cultural, no mundo lusófono e europeu.


Com o título Letras ConVida - Literatura, Cultura e Arte e sob a Direcção de Miguel Real e de Beata Cieszynska, esta revista é uma das iniciativas de um projecto mais vasto e plural estando aberta à participação de articulistas nacionais e estrangeiros, contando com o sistema de referees. De acordo com os critérios que têm norteado a estratégia de acção do CLEPUL (de abertura, internacionalização, inter-geracionalidade e interdisciplinaridade), este projecto associa desde personalidades destacadas da cultura portuguesa e europeia exteriores ao CLEPUL até jovens investigadores do centro.


De Eduardo Lourenço, Zygmunt Baumann, Vasco Graça Moura, Guilherme d’Oliveira Martins, José Jorge Letria, Filomena Oliveira, Carlos Leone e António Carlos Cortez, até Ana Filipa Silva, Cristiana Lucas, Fernanda Santos, Paula Carreira, Rosa Fina e Susana Alves, muitos são os nomes que se encontram envolvidos neste novo projecto do CLEPUL. Revista Letras ConVida, nº 2 Uma parceria CLEPUL/Gradiva 259 pp. €18,75 Nº 2 . Abril de 2011


Para mais informações, por favor, contactar: Helena Rafael Gradiva Publicações, Lda. Rua Almeida e Sousa, nº 21 – r/c esq. 1399-041 Lisboa – PORTUGAL (+351) 213 97 40 67 / 91 365 35 78 hrafael@gradiva.mail.pt

FODA-SE

SERÁ O PEDRO COELHO FUNCIONÁRIO DOS MERCADOS ?


Quarta-feira, dia 23, o PSD liderou uma histórica aliança direita/extrema-esquerda para liquidar o PEC 2011, derrubar o Governo socialista e mandar o país para eleições...

Mas, perante a euforia patriótica de quase toda a Assembleia da República, os mercados responderam subindo a taxa de juro dos empréstimos ao Estado português para 7,7%.


Quinta-feira, dia 24, acabado de derrubal o Governo, o dr.Passos Coelho (PSD) apresentou-se em Bruxelas...Perante os seus companheiros políticos da Filândia, Holanda e Alemanha, o dr. Passos Coelho foi forçado a reconhecer que não tinha nenhuma alternativa para apresentar ao PEC que eles tinham apoiado e ele chumbado. O mercado subiu-nos os juros para 8,0%.


Na sexta-feira, 25, com as orelhas a arder do que tinha ouvido em Bruxelas, o dr. Passos Coelho anunciou uma alternativa ao PEC socialista: aumentar o IVA. Ao mesmo tempo, apresentou uma proposta liquidando, de forma expedita, seis anos de tentativas de impor a avaliação de professores...Assim o país ficou a saber que nunca mais nenhum lóbi sera desinquietado na sua justa luta pelo triunfo dos medíocres sobre os competentes. E os juros nos mercados subiram para 8,2%.


Sábado, 26, o dr. Carrapatoso, resolveu antecipar-se à reflexão e, em vez de aumentar o IVA, propôs o corte de salários e do 13º mês. Porque era sábado e felizmente, os mercados estiveram fechados.


Domingo, dia 27, o dr. Passos Coelho reafirmou-se disposto a governar com o FMI. Porque era domingo os mercados mantiveram-se encerrados.


Segunda-feira, dia 28, o ex-Presidente do Brasil Lula da Silva, desembarcou em Portugal e desancou no FMI, de alto a baixo. O dr. Passos coelho sugeriu que se privatizasse a Caixa-Geral de Depósitos. Os mercados reabriram e os juros subiram para 8,5%.


Terça-feira, 29, a Presidente do Brasil, Dilma Rousseff, chegou também...o dr. Passos Coelho resolveu falar para fora e para dentro. Para fora, explicou ao Wall Street Journal que tinha chumbado o PEC 4 porque as medidas afinal eram "insuficientes". Os mercados subiram os juros para 8,8%.


Quarta-feira, dia 30, depois de uma noite de profunda reflexão, os conselheiros nacionais do PSD apresentaram ao país uns "pilares" erguidos sobre uma confusa amálgama de banalidades...Compreensivos, os mercados subiram as taxas para 9,1%.


Eis a responsabilidade e o "sentido de Estado" com que o PSD partiu para esta aventura.


O dr.Passos Coelho mostrou exuberantemente que não consegue evitar o regresso do velho PSD, saco de gatos de barões e baronetes, aliado de lóbis de interesses (como se viu na cambalhota dada para reprovar os genéricos, a pedido dos médicos e da indústria farmacêutica) e disposto a tudo para chegar ao poder (como se viu no frete feito à fenprof).


Por favor, não me interpretem mal: eu já escrevi que é minha convicção que o ciclo Sócrates/Teixeira dos Santos chegou ao fim e não é reciclável. Mas uma coisa é mudarmos de governo, interrompermos a meio um mandato eleitoral e perguntar aos portugueses se querem mudar de general; outra coisa é escolher o tempo adequado para o fazer...Por mais incerto que seja o desfecho da batalha, por mais gritante que seja a incompetência do general, não se muda de comando debaixo de fogo.


E, infelizmente também, o desejo pessoal de vingança de SªExª o Presidente Cavaco Silva foi mais forte do que o dever que lhe cabia de impor uma solução em defesa do país.


Vamos ao fundo, mas merecemos. Caramba, se merecemos.


(Excertos de um texto de Miguel Sousa Tavares, publicado no jornal Expresso de 2 de Abril de 2011)

Nota: O título é da responsabilidade deste blogue.

EXPRESSÕES IDIOMÁTICAS


Comer muito queijo


Significado: Ser esquecido; ter má memória.


Origem: A origem desta expressão portuguesa pode explicar-se pela relação de causalidade que, em séculos anteriores, era estabelecida entre a ingestão de lacticínios e a diminuição de certas faculdades intelectuais, especificamente a memória. A comprovar a existência desta crença existe o excerto da obra do padre Manuel Bernardes "Nova Floresta", relativo aos procedimentos a observar para manter e exercitar a memória: «Há também memória artificial da qual uma parte consiste na abstinência de comeres nocivos a esta faculdade, como são lacticínios, carnes salgadas, frutas verdes, e vinho sem muita moderação: e também o demasiado uso do tabaco». Sabe-se hoje, através dos conhecimentos provenientes dos estudos sobre memória e nutrição, que o leite e o queijo são fornecedores privilegiados de cálcio e de fósforo, elementos importantes para o trabalho cerebral. Apesar do contributo da ciência para desmistificar uma antiga crença popular, a ideia do queijo como alimento nocivo à memória ficou cristalizada na expressão fixa « comer (muito) queijo».


Acordo leonino


Significado: Um «acordo leonino» é aquele em que um dos contratantes aceita condições desvantajosas em relação a outro contratante que fica em grande vantagem.


Origem: «Acordo leonino» é, pois, uma expressão retórica sugerida nomeadamente pelas fábulas em que o leão se revela como todo-poderoso.



Que massada


Significado: Exclamação usada para referir uma tragédia ou contra-tempo.


Origem: É uma alusão à fortaleza de Massada na região do Mar Morto, Israel, reduto de Zelotes, onde permaneceram anos resistindo às forças romanas após a destruição do Templo em 70 d.C., culminando com um suicídio colectivo para não se renderem, de acordo com relato do historiador Flávio Josefo.



Passar a mão pela cabeça


Significado: Perdoar ou acobertar erro cometido por algum protegido.


Origem: Costume judaico de abençoar cristãos-novos, passando a mão pela cabeça e descendo pela face, enquanto se pronunciava a bênção.


Gatos-pingados


Significado: Tem sentido depreciativo usando-se para referir uma suposta inferioridade (numérica ou institucional), insignificância ou irrelevância.


Origem: Esta expressão remonta a uma tortura procedente do Japão que consistia em pingar óleo a ferver em cima de pessoas ou animais, especialmente gatos. Existem várias narrativas ambientais na Ásia que mostram pessoas com os pés mergulhados num caldeirão de óleo quente. Como o suplício tinha uma assistência reduzida, tal era a crueldade, a expressão " gatos pingados " passou a denominar pequena assistência sem entusiasmos ou curiosidade para qualquer evento.


Queimar as pestanas


Significado: Estudar muito.


Origem: Usa-se ainda esta expressão, apesar de o facto real que a originou já não ser de uso. Foi, inicialmente, uma frase ligada aos estudantes, querendo significar aqueles que estudavam muito. Antes do aparecimento da electricidade, recorria-se a uma lamparina ou uma vela para iluminação. A luz era fraca e, por isso, era necessário colocá-las muito perto do texto quando se pretendia ler o que podia dar azo a " queimar as pestanas ".


Meter uma lança em África


Significado: Conseguir realizar um empreendimento que se afigurava difícil; levar a cabo uma empresa difícil.


Origem: Expressão vulgarizada pelos exploradores europeus, principalmente portugueses, devido às enormes dificuldades encontradas ao penetrar o continente africano. A resistência dos nativos causava aos estranhos e indesejáveis visitantes baixas humanas. Muitas vezes retrocediam face às dificuldades e ao perigo de serem dizimados pelo inimigo que eles mal conheciam e, pior de tudo, conheciam mal o seu terreno. Por isso, todos aqueles que se dispusessem a fazer parte das chamadas "expedições em África", eram considerados destemidos e valorosos militares, dispostos a mostrar a sua coragem, a guerrear enfrentando o incerto, o inimigo desconhecido. Portanto, estavam dispostos a " meter uma lança em África".


Ter ouvidos de tísico


Significado: Ouvir muito bem.


Origem: Antes da II Guerra Mundial (l939 a l945), muitos jovens sofriam de uma doença denominada tísica, que corresponde à tuberculose. A forma mais mortífera era a tuberculose pulmonar. Com o aparecimento dos antibióticos durante a II Guerra Mundial, foi possível combater este doença com muito maior êxito. As pessoas que sofrem de tuberculose pulmonar tornam-se muito sensíveis, incluindo uma notável capacidade auditiva. A expressão « ter ouvidos de tísico» significa, portanto, «ouvir tão bem como aqueles que sofrem de tuberculose pulmonar».

Raul Solnado - Ida ao Medico

ILHA da MADEIRA - PORTUGAL (Madeira Island)

Melaka - Malásia (fala-se português por aqui)

Viagem 7 Maravilhas - As maravilhas de Portugal no Mundo - Forte Príncipe da Beira, Brasil - RTP Noticias, Vídeo


HUMOR (AMOR) EM TEMPO DE CRISE


A língua portuguesa é muito ingrata!.....Até para fazer amor!


AMÁ-LA ou AMAR-TE?


O marido, ao chegar em casa, no final da noite, diz à mulher que já estava deitada :


- Querida, eu quero amá-la.


A mulher, que estava dormindo, com a voz embolada, responde:


- A mala... ah não sei onde está, não! Use a mochila que está no maleiro do quarto de visitas.


- Não é isso querida, hoje vou amar-te.


- Por mim, você pode ir a Marte, Júpiter, Saturno URANO, NEPTUNO E PLUTAO desde que me deixe dormir em paz...

A FUGA DAS GALINHAS E OS GESTORES PORTUGUESES


INCOMPETENTES & NABOS PAGOS PRINCIPESCAMENTE...


Pensar alto - (Joana Amaral Dias)


Ser curto, preciso e conciso é uma arte ! Joana Amaral Dias consegue-o ser com mestria. Leiam o seu artigo abaixo e julguem-na.


A fuga das galinhas


Um gestor vale mais do que quem salva vidas e cria (vários tipos) de riqueza como um médico ou um cientista? Qual é o dom especial que possuem para que ganhem muito mais que todos os outros? Não se sabe. Mas essa ignorância não altera os rendimentos. Mesmo que os resultados empresariais derivem de uma extensa cadeia. Mesmo que todas as empresas devam ter um papel social. Pois é. Os nossos trabalhadores são dos mais mal pagos da Europa, mas os gestores são dos mais bem pagos. Um gestor alemão recebe dez vezes mais que o trabalhador com o salário mais baixo na sua empresa. O britânico 14. O português 32. Mas, segundo um estudo da Mckinsey, Portugal tem dos piores gestores. Logo, quando se fala em reduzir direitos e salários, a quem nos devemos referir? Lógico? Não. Dizem que os bons gestores escasseiam e é necessário recompensá-los. Senão, fogem do país. Ok. Então, é simples. Se são assim tão poucos, ide. Não serão significativos na crescente percentagem de fuga dos cérebros que estavam desempregados/explorados. Depois, contratem-se gestores alemães ou ingleses. Por lá, não rareia tanto a qualidade. Estão habituados a discutir não só ordenados mínimos como ordenados máximos. E sempre são mais baratinhos.


Joana Amaral Dias, Docente universitária

GUITAR - CHA SUN CHON ET AL - "OUR KINDERGARTEN TEACHER"


Guitar] Cha Sun Chon et al. - "Our Kindergarten Teacher" {DPRK Music}


기타중주 «유치원 우리 선생님» 청진시 청암유치원


Ансамбль гитар «Наша воспитательница» Детский сад района Чхонам (청암) города Чхонджин (청진시) В центре - Чха Сун Чон (차순정)


Guitar Ensemble "Our Kindergarten…

lindo! LINK - C/ SOM OS INSTRUMENTOS SÃO MAIORES DO QUE ELES!!!!!!!!


segunda-feira, 4 de abril de 2011

ILHA DA MADEIRA, CIDADE DO FUNCHAL-PORTUGAL

Ao Longe O Mar-Madredeus

As Maravilhas de Portugal no Mundo - Colónia do Sacramento, Uruguai @ RT...

EXPRESSÕES IDIOMÁTICAS (continuação)


Cair da tripeça


Significado: Qualquer coisa que, dada a sua velhice, se desconjunta facilmente.

Origem: A tripeça é um banco de madeira de três pés, muito usado na província, sobretudo junto às lareiras. Uma pessoa de avançada idade aí sentada, com o calor do fogo, facilmente adormece e tomba.


Fazer tábua rasa


Significado: Esquecer completamente um assunto para recomeçar em novas bases.

Origem: A tabula rasa, no latim, correspondia a uma tabuinha de cera onde nada estava escrito. A expressão foi tirada, pelos empiristas, de Aristóteles, para assim chamarem ao estado do espírito que, antes de qualquer experiência, estaria, em sua opinião, completamente vazio. Também John Locke (1632 1704), pensador inglês, em oposição a Leibniz e Descartes, partidários do inatísmo, afirmava que o homem não tem nem ideias nem princípios inatos, mas sim que os extrai da vida, da experiência. «Ao começo», dizia Locke, «a nossa alma é como uma tábua rasa, limpa de qualquer letra e sem ideia nenhuma. Tabula rasa in qua nihil scriptum. Como adquire, então, as ideias? Muito simplesmente pela experiência.»


Ave de mau agouro


Significado: Diz-se de pessoa portadora de más notícias ou que, com a sua presença, anuncia desgraças.

Origem: O conhecimento do futuro é uma das preocupações inerentes ao ser humano. Quase tudo servia para, de maneiras diversas, se tentar obter esse conhecimento. As aves eram um dos recursos que se utilizava. Para se saberem os bons ou maus auspícios (avis spicium) consultavam-se as aves. No tempo dos áugures romanos, a predição dos bons ou maus acontecimentos era feita através da leitura do seu voo, canto ou entranhas. Os pássaros que mais atentamente eram seguidos no seu voo, ouvidos nos seus cantos e aos quais se analisavam as vísceras eram a águia, o abutre, o milhafre, a coruja, o corvo e a gralha. Ainda hoje perdura, popularmente, a conotação funesta com qualquer destas aves.


Verdade de La Palisse


Significado: Uma verdade de La Palice (ou lapalissada / lapaliçada) é evidência tão grande, que se torna ridícula.

Origem: O guerreiro francês Jacques de Chabannes, senhor de La Palice (1470-1525), nada fez para denominar hoje um truísmo. Fama tão negativa e multissecular deve-se a um erro de interpretação. Na sua época, este chefe militar celebrizou-se pela vitória em várias campanhas. Até que, na batalha de Pavia, foi morto em pleno combate. E os soldados que ele comandava, impressionados pela sua valentia, compuseram em sua honra uma canção com versos ingénuos: "O Senhor de La Palice / Morreu em frente a Pavia; / Momentos antes da sua morte, / Podem crer, inda vivia." O autor queria dizer que Jacques de Chabannes pelejara até ao fim, isto é, "momentos antes da sua morte", ainda lutava. Mas saiu-lhe um truísmo, uma evidência. Segundo a enciclopédia Lello, alguns historiadores consideram esta versão apócrifa. Só no século XVIII se atribuiu a La Palice um estribilho que lhe não dizia respeito. Portanto, fosse qual fosse o intuito dos versos, Jacques de Chabannes não teve culpa. Nota: Em Portugal, empregam-se as duas grafias: La Palice ou La Palisse.


(Continuaremos a publicar expressões idiomáticas)

MARINHO PINTO CHAMOU OS BOIS PELOS NOMES E ELES ESTAVAM MESMO ALI


JÁ AQUI PUBLICAMOS ESTA REPORTAGEM, MAS DADA A SUA ACTUALIDADE IREMOS REPETI-LA ATÉ QUE OS BOIS SE ASSUSTEM!


Marinho Pinto, ...tenho que lhe dar os parabéns… ele disse na cara de todos os políticos, olhos nos olhos, aquilo que qualquer um de nós pensa.


Este discurso, na sessão solene da abertura do ano judicial, em qualquer país em que houvesse ainda um resquício de moralidade e vergonha implicaria que ou o Marinho Pinto ia preso por calúnias ou, no outro dia, rolariam muitas cabeças.


Isto foi dito na cara do Cavaco que se diz Presidente da República… e nada aconteceu! Porque talvez tenha o rabo bem trilhado.


E O QUE VIER DEPOIS DE SÓCRATES TAMBÉM NÃO SERVIRÁ PARA NADA


Precisa-se de matéria prima para construir um País.

A crença geral anterior era de que Santana Lopes não servia, bem como Cavaco, Durão e Guterres. Agora dizemos que Sócrates não serve. E o que vier depois de Sócrates também não servirá para nada.

Por isso começo a suspeitar que o problema não está no trapalhão que foi Santana Lopes ou na farsa que é o Sócrates. O problema está em nós. Nós como povo. Nós como matéria prima de um país.

Porque pertenço a um país onde a ESPERTEZA é a moeda sempre valorizada, tanto ou mais do que o euro. Um país onde ficar rico da noite para o dia é uma virtude mais apreciada do que formar uma família baseada em valores e respeito aos demais.

Pertenço a um país onde, lamentavelmente, os jornais jamais poderão ser vendidos como em outros países, isto é, pondo umas caixas nos passeios onde se paga por um só jornal E SE TIRA UM SÓ JORNAL, DEIXANDO-SE OS DEMAIS ONDE ESTÃO.

Pertenço ao país onde as EMPRESAS PRIVADAS são fornecedoras particulares dos seus empregados pouco honestos, que levam para casa, como se fosse correcto, folhas de papel, lápis, canetas, clips e tudo o que possa ser útil para os trabalhos de escola dos filhos… e para eles mesmos.

Pertenço a um país onde as pessoas se sentem espertas porque conseguiram comprar um descodificador falso da TV Cabo, onde se frauda a declaração de IRS para não pagar ou pagar menos impostos.

Pertenço a um país: -Onde a falta de pontualidade é um hábito; -Onde os directores das empresas não valorizam o capital humano. -Onde há pouco interesse pela ecologia, onde as pessoas atiram lixo nas ruas e, depois, reclamam do governo por não limpar os esgotos. -Onde pessoas se queixam que a luz e a água são serviços caros. -Onde não existe a cultura pela leitura (onde os nossos jovens dizem que é ‘muito chato ter que ler’) e não há consciência nem memória política, histórica nem económica. -Onde os nossos políticos trabalham dois dias por semana para aprovar projectos e leis que só servem para caçar os pobres, arreliar a classe média e beneficiar alguns.

Pertenço a um país onde as cartas de condução e as declarações médicas podem ser ‘compradas’, sem se fazer qualquer exame. -Um país onde uma pessoa de idade avançada, ou uma mulher com uma criança nos braços, ou um inválido, fica em pé no autocarro, enquanto a pessoa que está sentada finge que dorme para não lhe dar o lugar. -Um país no qual a prioridade de passagem é para o carro e não para o peão. -Um país onde fazemos muitas coisas erradas, mas estamos sempre a criticar os nossos governantes.

Quanto mais analiso os defeitos de Santana Lopes e de Sócrates, melhor me sinto como pessoa, apesar de que ainda ontem corrompi um guarda de trânsito para não ser multado. Quanto mais digo o quanto o Cavaco é culpado, melhor sou eu como português, apesar de que ainda hoje pela manhã explorei um cliente que confiava em mim, o que me ajudou a pagar algumas dívidas. Não. Não. Não. Já basta.

Como ‘matéria prima’ de um país, temos muitas coisas boas, mas falta muito para sermos os homens e as mulheres que o nosso país precisa.

Esses defeitos, essa ‘CHICO-ESPETICE PORTUGUESA’ congénita, essa desonestidade em pequena escala, que depois cresce e evolui até se converter em casos escandalosos na política, essa falta de qualidade humana, mais do que Santana, Guterres, Cavaco ou Sócrates, é que é real e honestamente má, porque todos eles são portugueses como nós, ELEITOS POR NÓS. Nascidos aqui, não noutra parte… Fico triste. Porque, ainda que Sócrates se fosse embora hoje, o próximo que o suceder terá que continuar a trabalhar com a mesma matéria prima defeituosa que, como povo, somos nós mesmos. E não poderá fazer nada… Não tenho nenhuma garantia de que alguém possa fazer melhor, mas enquanto alguém não sinalizar um caminho destinado a erradicar primeiro os vícios que temos como povo, ninguém servirá. Nem serviu Santana, nem serviu Guterres, não serviu Cavaco, nem serve Sócrates e nem servirá o que vier.

Qual é a alternativa ? Precisamos de mais um ditador, para que nos faça cumprir a lei com a força e por meio do terror ? Aqui faz falta outra coisa. E enquanto essa ‘outra coisa’ não comece a surgir de baixo para cima, ou de cima para baixo, ou do centro para os lados, ou como queiram, seguiremos igualmente condenados, igualmente estancados… igualmente abusados! É muito bom ser português. Mas quando essa portugalidade autóctone começa a ser um empecilho às nossas possibilidades de desenvolvimento como Nação, então tudo muda… Não esperemos acender uma vela a todos os santos, a ver se nos mandam um messias. Nós temos que mudar.

Um novo governante com os mesmos portugueses nada poderá fazer. Está muito claro… Somos nós que temos que mudar. Sim, creio que isto encaixa muito bem em tudo o que anda a acontecer-nos: Desculpamos a mediocridade de programas de televisão nefastos e, francamente, somos tolerantes com o fracasso. É a indústria da desculpa e da estupidez.

Agora, depois desta mensagem, francamente, decidi procurar o responsável, não para o castigar, mas para lhe exigir (sim, exigir) que melhore o seu comportamento e que não se faça de mouco, de desentendido. Sim, decidi procurar o responsável e ESTOU SEGURO DE QUE O ENCONTRAREI QUANDO ME OLHAR NO ESPELHO. AÍ ESTÁ. NÃO PRECISO PROCURÁ-LO NOUTRO LADO. E você, o que pensa ?… MEDITE !


Eduardo Prado Coelho – in Público

AGORA PERCEBEMOS PORQUE PEDRO PASSOS COELHO QUER IR PARA O POLEIRO


De acordo com a revista Sábado de 21-10-2010, apresentam-se de seguida algumas das despesas do Gabinete do sr. Sócrates:


- 436,70 €/dia em combustíveis (aos preços de hoje são 454,9 km/dia);


- 382,00 €/dia em chamadas de telemóvel (são 53 horas/dia ao telefone);


- 370,00 €/dia em deslocações e estadas;


- 750,00 €/dia em despesas de representação; [no orçamento de 2011, aumentram estas em 20%]


- 276,00 e/dia em refeições; Só aqui já vamos em cerca de 2.216 € por dia, mas há mais: - 220,00 e/dia em locação de material de transporte;


- 72,81 €/dia em telefone fixo;


- 1.434 €/dia em aquisição de bens; Já vamos em cerca de 3.940 € por dia. E então que dizer do seguinte:


- 448 são as viaturas da presidência do Conselho de Ministros (gabinete do sr. sócrates e do sr. pedro silva pereira);


- Desde Outubro de 2009 Sócrates nomeou 71 pessoas para o seu gabinete, onde se incluem 13 secretárias e 20 motoristas;


No total é um gasto médio diário de 11.391 €.

GOEBELS DIZIA QUE UMA MENTIRA REPETIDA MUITAS VEZES SE TORNA VERDADE


SAIBA JÁ QUEM SERÁ O FUTURO PRIMEIRO-MINISTRO PORTUGUÊS


Fantástica concentração !!!!


plano, estratégia e acções coordenadas


COMEMORAÇÕES - SEBASTIÃO DA GAMA


Caro(a) Amigo(a),


De hoje a uma semana passam 87 anos sobre o nascimento de Sebastião da Gama.

Em anexo, o programa da comemoração, gizado conjuntamente pela Câmara Municipal de Setúbal e pela Associação Cultural Sebastião da Gama.

É uma sugestão, um convite...

Abraço.

João Reis Ribeiro

OS POLÍTICOS SÃO OS ÚNICOS RESPONSÁVEIS PELA CRISE EM PORTUGAL.

OS POLÍTICOS AGUARDAM PELO VOTO DA INOCENTE REPÚBLICA


CRISE EM PORTUGAL.... (VAMOS ACABAR COM OS DESVARIOS!!!!)‏ Ora aqui vai outro importante contributo, para que o Ministro das Finanças não continue a fazer de nós parvos, dizendo com ar sonso que não sabe em que mais cortar. ACABOU O RECREIO! Orçamento do Estado: Todos os ''governantes'' de Portugal [a saber: os que se governam...ou as futuras "hipóteses"] falam em cortes das despesas e aumentos de impostos, gerando sacrifícios a todos nós.Ainda NÃO OUVI foi nenhum governante falar em: . Reduzir as mordomias (gabinetes, secretárias, adjuntos, assessores, suportes burocráticos respectivos, carros, motoristas, etc.) dos três Presidentes da República retirados. . Redução dos deputados da Assembleia da República e seus gabinetes, profissionalizando-os como nos países a sério. Reforma das mordomias na Assembleia da República, como almoços opíparos, com digestivos e outras libações, tudo à custa do erário público. . Acabar com os milhares de Institutos e Fundações Públicas que não servem para nada e têm funcionários e administradores com 2ºs ou 3ºs empregos e a ganharem fortunas. . Acabar com as empresas Municipais que para nada servem, com Administradores a auferir milhares de euros/mês,acumulando funções nos municípios, para aumentarem o bolo salarial respectivo. Redução drástica das Câmaras Municipais e respectivas Assembleias. . Redução drástica das Juntas de Freguesia. . Acabar com o pagamento de 200 € por presença de cada pessoa nas reuniões das Câmaras e 75 € nas das Juntas de Freguesia. . Acabar com o Financiamento aos Partidos, que devem viver da quotização dos seus associados e da imaginação que aos outros exigem para conseguirem verbas para as suas actividades. . Acabar com a distribuição de carros a Presidentes, Assessores, etc, das Câmaras, Juntas, etc., que se deslocam em digressões particulares pelo País. . Acabar com os motoristas particulares 20 h/dia, com o agravamento das horas extraordinárias... para servir suas excelências, filhos e família. Acabar com a renovação sistemática de frotas de carros do Estado e entes públicos menores, mas maiores nos dispêndios públicos. . Colocar chapas de identificação em todos os carros do Estado. Não permitir de modo algum que carros oficiais façam serviço particular tal como levar e trazer familiares e filhos às escolas, ir ao mercado, folias nocturnas, etc. Acabar com o vaivém semanal dos deputados dos Açores e Madeira e respectivas estadias em Lisboa em hotéis de cinco estrelas pagos pelos contribuintes que vivem em tugúrios inabitáveis. . Acabar com os "subsídios" de habitação e deslocação a deputados eleitos por círculos fora de Lisboa... que sempre residiram na Capital e nunca tiveram qualquer habitação nos circulos eleitorais a que concorreram! . Controlar os altos quadros "colocados" na Função Pública(pagos por nós...)que quase nunca estão no local de trabalho. Então em Lisboa é o regabofe total:HÁ QUADROS QUE, EM VEZ DE ESTAREM NO SERVIÇO PÚBLICO, PASSAM O TEMPO NOS SEUS ESCRITÓRIOS DE ADVOGADOS A CUIDAR DOS SEUS PRÓPRIOS INTERESSES, QUE NÃO OS DO PÚBLICO E DE QUEM OS ELEGEU. . Acabar com as administrações numerosíssimas de hospitais públicos que servem para garantir tachos aos apaniguados do poder - há hospitais de província com mais administradores que pessoal administrativo. Só o de PENAFIEL TEM SETE ADMINISTRADORES PRINCEPESCAMENTE PAGOS,pertencentes às oligarquias locais do partido DO GOVERNO! . Acabar com os milhares de pareceres jurídicos e outros, caríssimos, pagos sempre aos mesmos escritórios que têm canais de comunicação fáceis com o Governo no âmbito de um tráfico de influências que há que criminalizar, autuar, julgar e condenar. . Acabar com as várias reformas, acumuladas, por pessoa, de entre o pessoal do Estado e de entidades privadas, que passaram fugazmente pelo Estado. . Pedir o pagamento dos milhões dos empréstimos dos contribuintes ao BPN e BPP, com os juros devidos! . Perseguir os milhões desviados por Rendeiros, Loureiros e quejandos, onde quer que estejam e recuperar essas quantias para os cofres do Estado. . Quem pode explicar porque é que o Presidente da Assembleia da República tem, ao seu dispor, dois automóveis de serviço? Deve ser um para a "pasta" e outro para a "lancheira"!... . E por aí fora... Se tudo o acima descrito fosse posto em prática no mais curto espaço de tempo, depressa recuperaríamos a nossa posição, sobretudo a credibilidade tão abalada pela corrupção que grassa e pelo desvario dos dinheiros do Estado .

PENSE ANTES DE VOTAR


ELEIÇÕES - CONFIRMA, OU DESCOBRE O TEU NÚMERO DE ELEITOR


ISTO É UM AUTÊNTICO SERVIÇO PÚBLICO!

Confirmem, a tempo e horas, para evitar chatices…

Confirme, ou saiba, o seu número de eleitor e o número e nome do local de votação. Vai ser preciso dentro em pouco.


Basta escrever o seu nome completo e data de nascimento (DD-MM-AAAA) – está incorporado um calendário e é só escolher o ano, o mês e o dia. Funciona e está actualizado. http://www.recenseamento.mai.gov.pt/